O que é a Clubhouse? Tudo o que deve saber antes de instalar

0

Já anda nos iPhones de muitos utilizadores e está a fazer furor um pouco por todo o mundo. Mas afinal o que é a Clubhouse? A app do momento ainda só está disponível para iOS e permite a criação de salas de conversação em formato áudio, onde os utilizadores podem assistir às conversas ou até mesmo ser participantes.

Lançado em abril de 2020, somente para iOS (iPhone/iPad/iPod Touch), permite juntar mais de 5.000 pessoas em salas de audio. Mas para utilizar é necessário receber o convite de um membro. Uma rede social em audio, aparentemente simples, foi avaliada em quase 100 milhões de dólares, após um mês do lançamento, atingindo o valor de mil milhões de dólares em janeiro de 2021.

Os utilizadores podem ouvir conversas, entrevistas e discussões sobre vários tópicos – é como sintonizar um podcast, mas ao vivo e com uma camada adicional de exclusividade.

Clubhouse
Clubhouse. Imagem: DR

Clubhouse é apenas para convidados. Não basta descarregar a app e instalá-la. Tal como um clube privado no mundo real, aqui os novos utilizadores têm de ser convidados por um membro existente para poder aceder ao conteúdo exclusivo. Esta foi uma estratégia  também utilizada pelo Facebook, quando no seu inicio se intitulava como rede privada de estudantes de Harvard, em 2004. Na Clubhouse, cada membro sente-se parte de um clube de elite onde todos querem pertencer. Uma estratégia que levou muitos curiosos a tentar entrar na nova rede social. Com o número crescente de utilizadores (mais de 10 milhões de downloads, segundo estimativas da App Annie), o sentimento de exclusividade deixa de fazer sentido.

Clubhouse
Clubhouse. Imagem: DR

E depois de entrar na Clubhouse? Ao entrar, são pedidos os tópicos de interesse, como tecnologia, negócios, livros ou saúde. Quanto mais informações forem fornecidas à aplicação, mais salas de conversação e indivíduos serão recomendados para seguir ou participar.

Cada sala de conversação é como uma chamada em conferência, mas com algumas pessoas à conversa e a maioria a ouvir. Tal como uma chamada telefónica, quando a conversa termina, a sala é fechada. Sem gravações, nem arquivo, a empresa afirma não guardar as conversas. Será assim? De qualquer forma, nada impede que os utilizadores gravem uma conversa, ou a disponibilizem para o exterior em plataformas de streaming como Youtube ou Twitch.

Clubhouse
Clubhouse. Imagem: DR

Com o número de utilizadores a crescer rapidamente, aumentam também as questões sobre segurança e privacidade. Ainda na versão beta, a Clubhouse pode converter-se num alvo fácil para os cibercriminosos que procuram ganhar dinheiro com a sua popularidade, e com utilizadores menos informados.

Um dos primeiros grandes fãs da Clubhouse foi Elon Musk, cujo tweet no final de janeiro desencadeou uma onda de interesse e curiosidade sobre a aplicação. Depois do CEO da Tesla, seguiram-se outras celebridades, como Mark Zuckerberg (Facebook/Instagram) e Drake (rapper canadiano). Em Portugal, Carlos Moedas destaca-se como um dos pioneiros a utilizar esta rede 

Clubhouse muito popular na China

O sucesso meteórico da Clubhouse apanhou desprevenida a firewall da China por vários meses, ao contrário de outras redes de mídia social como o Instagram, Twitter, ou o Facebook, que foram banidas no país asiático. A nova aplicação tornou-se muito popular nas últimas semanas, atraindo um grande número de utilizadores chineses e dando-lhes uma rara oportunidade de “exagerar na liberdade de expressão” e de se envolverem em discussões sobre tópicos que geralmente são proibidos no continente, incluindo Xinjiang, Hong Kong e Taiwan.

Clubhouse na China
Clubhouse na China. Imagem: DR

Quartz relatou que “os utilizadores chineses, em grande parte investidores e profissionais de tecnologia, estão a utilizar a aplicação para falar sobre tópicos que, de outra forma, seriam censurados em casa, como a democracia.”

Desde segunda-feira, 8 de fevereiro de 2021, no entanto, a Clubhouse foi bloqueada na China.

Ciberataques

Nesta curta história da Clubhouse (cerca de um ano de existência), os especialistas em cibersegurança já tiveram de emitir vários avisos onde referem que a nova aplicação não garante a privacidade dos utilizadores e que esta conta ainda com algumas falhas.

Recentemente, a Kaspersky avançou com algumas dicas e recomendações para aderir a esta tendência, em segurança:

  • A Clubhouse ainda não está disponível para Android, pelo que não se deve confiar em aplicações falsas que possam surgir na Google Play;
  • Não confiar na Clubhouse para conversar sobre assuntos delicados ou realizar quaisquer ações privadas. Partilhar apenas informação que possa ser utilizada em espaço público;
  • Qualquer instalação implica questões de segurança, por isso deve ser ponderada a utilização da Clubhouse, ou se é realmente necessária;
  • Conhecer sempre mais sobre a aplicação antes de instalar – é importante saber mais sobre os programadores, que dados pretendem adquirir e com quem os irão partilhar;
  • Permanecer sempre atento: os cibercriminosos estão sempre a inovar nos esquemas para burlar os utilizadores;
  • Equipar os dispositivos com uma solução de segurança fiável, capaz de bloquear malware, incluindo aplicações com intenções escondidas ou que se façam passar por outras já existentes.
Clubhouse
Clubhouse. Imagem: DR

Os rivais

O surgimento da Clubhouse não deixou o mercado indiferente. O impacto no ecossistema de aplicações para dispositivos móveis resultou no surgimento de outras ofertas rivais lançadas em tempo recorde, onde oferecem a sua própria experiência de áudio social, incluindo Dizhua, Tiya e Yalla, que atraíram utilizadores na China, EUA, Egito, Arábia Saudita e Turquia. Dizhua, por exemplo, tem 174.000 downloads e Tiya tem 6 milhões, diz o relatório da App Annie.

Yalla
Yalla. Imagem: DR

Se a Clubhouse parece ter sido pioneira na ideia de uma rede social baseada no audio, a verdade é que a tecnologia está presente desde 2016 com Yalla, lançada nos Emirados Árabes Unidos, para iOS e Android, e conta já com 34,5 milhões de downloads, mas talvez com menos figuras mediáticas à mistura.

A concorrência à Clubhouse não se limita a estas apps. Houve uma explosão de experiências de áudio social, incluindo aquelas de startups como Sonar, Locker Room, Quilt, Yoni Circle, Roadtrip, Space, Capiche.fm, Yac, Cappuccino, entre muitas outras. Ao mesmo tempo, o Twitter está a desenvolver o seu próprio rival com o Spaces. O Facebook também está a planear um concorrente ao Clubhouse.

E o futuro?

A questão na mente de todos agora é quanto deste crescimento é sustentável? Os céticos dizem que a Clubhouse é a app perfeita para aqueles que tendem a dominar as conversas falando longamente, com temas muitas vezes aborrecidos, que a app favorece a “cultura da agitação” – obcecada e paranoica, ou é uma simples questão de moda, e assim por diante. Alguns também se perguntam como irão estas aplicações de áudio social sobreviver quando o mundo reabrir pós-Covid e houver mais para fazer – incluindo o regresso aos eventos de rede tradicionais.

Mas estas preocupações não levam em consideração que o áudio social tem o potencial de conquistar um espaço para si mesmo, substituindo outras atividades de áudio, como os podcasts ou audiolivros. As perguntas sobre o futuro da Clubhouse não podem ser respondidas por agora.

Como receber um convite para a Clubhouse?

Para entrar, um utilizador existente da Clubhouse terá de enviar um convite a partir da sua aplicação, dando ao convidado acesso à criação de uma conta. O convite é enviado em forma de link por mensagem de texto para o número de telemóvel do destinatário, direcionando-o para uma página de inscrição na aplicação.

No entanto, os utilizadores da Clubhouse não podem simplesmente enviar um convite para qualquer pessoa que queira entrar. Os utilizadores existentes têm apenas dois convites disponíveis no início.

Numa publicação recente no blog da empresa, os criadores anunciaram que a sua meta para 2021 é concluir a fase beta da aplicação, para que possam eventualmente “abrir a Clubhouse para o mundo inteiro”.

Em alguns países os convites chegam a ser vendidos no mercado negro por 20 a 70 dólares.

Factos e Estatísticas

1. Clubhouse tem mais de 10 milhões de downloads no mundo inteiro.

De acordo com AppAnnie, Clubhouse cresceu desde 3,5 milhões de downloads globais a 1 de fevereiro, para mais de 10 milhões, no inicio de março de 2021. Este aumento meteórico pode ser atribuído à adoção da plataforma por vários influenciadores, como Elon Musk, Kanye West e o fundador do Facebook, Mark Zuckerberg.

2. Clubhouse tem cerca de 2 milhões de utilizadores ativos por semana.

Parte da atração e popularidade da Clubhouse, pelo menos por agora, é a sua exclusividade. As pessoas querem fazer parte de algo exclusivo. Além disso, a app começou com 1.500 utilizadores de teste e conta com muitas celebridades e ‘elites’ na lista de membros.

3. A app foi avaliada em 100 milhões de dólares após o lançamento.

Apesar de não ter havido qualquer divulgação publicitaria, nem sequer tem site oficial, a app foi avaliada em 100 milhões de dólares após o lançamento. Na altura, a app tinha cerca de 5.000 utilizadores de teste. Iniciou com um investimento de 12 milhões de dólares por Andreessen Horowitz, uma empresa de capital de risco em Silicon Valley, na California. Em janeiro de 2021, a Clubhouse foi avaliada em mil milhões de dólares – 10 vezes mais do que era avaliado apenas oito meses atrás. De acordo com o próprio blog da Clubhouse, atualmente eles têm mais de 180 investidores na aplicação.

4. Clubhouse tem apenas nove colaboradores.

Inicialmente criado por Paul Davison e Rohan Seth, Clubhouse tem atualmente nove funcionários.

5. Os utilizadores passam muitas horas na aplicação.

Os utilizadores estão a passar dezenas de horas na aplicação por semana. Uma mulher relatou gastar mais de 40 horas por semana na Clubhouse (New York Times). Outros utilizadores tweetaram sobre o seu próprio uso, mostrando estatísticas de uso entre 11 e 22 horas por semana.

6. Sheel Mohnot é o primeiro influenciador da Clubhouse.

Sheel Mohnot é o fundador da Better Tomorrow Ventures e o primeiro influenciador da Clubhouse. Ele é um participante regular na sala “Back of the Bus”. Mohnot também participou em videoclips de Justin Bieber e Ariana Grande.

7. Clubhouse tem uma sala para “Depois do expediente”.

Quase todas as noites, por volta das 22h, é possível encontrar um grupo de 30 a 50 pessoas numa sala chamada “Back of the Bus”. O seu anfitrião, Ryan Dawidjan, é um executivo de contas de 28 anos de uma empresa de tecnologia. O seu papel é garantir que ninguém fale sobre tecnologia ou sobre a Clubhouse. Quase todos na sala são anfitriões e têm privilégios de moderador, e os microfones não têm som, dando à sala a verdadeira sensação de uma festa em casa. Com a conversa sobre tecnologia sendo a única coisa fora da mesa, os tópicos variam de conselhos sobre a vida a um leitor de cartas de tarô que critica contas do Instagram, até coisas verdadeiramente aleatórias.

8. A Clubhouse atrai celebridades e outras ‘elites’.

Em apenas alguns meses, a Clubhouse acumulou uma lista impressionante de celebridades que participaram na aplicação. Esta é uma lista de celebridades que foram vistas a criar uma sala, espreitar ou participar em conversas:

Oprah Winfrey – apresentadora de talk show, produtora de televisão, atriz, autora e filantropa
Drake – rapper, cantor, compositor, ator e empresário
Jared Leto – ator e músico
Tiffany Haddish – atriz, comediante e autora
Joe Budden – locutor, crítico cultural e ex-rapper
Kevin Hart – comediante, ator e produtor
Chet Hanks – ator, músico e filho de Tom Hanks
Meek Mill – rapper, compositor e ativista
21 Savage – rapper, compositor e produtor musical
Ashleigh Louise – famosa moderadora do Reino Unido
Wiley – rapper, compositor, DJ e produtor musical
Ashton Kutcher – ator, modelo, produtor, empresário e capitalista de risco
Chris Rock – comediante, ator, produtor de televisão e cineasta
DeRay McKesson – ativista, podcaster e ex-administrador escolar
Van Jones – comentador de notícias, autor e advogado
Virgil Abloh – designer, empresário e DJ
Kanye West – rapper, produtor musical e estilista
Michael Ovitz – empresário, investidor e filantropo
Ted Lieu – representante dos EUA
Mark Cuban – empresário, personalidade da televisão, proprietário de mídia e investidor
Terry Crews – ator, comediante, ativista, artista, fisiculturista e ex-jogador de futebol profissional
Jeffrey Katzenberg – produtor de cinema e proprietário de mídia
Jodie Turner-Smith – modelo e atriz
MC Hammer – rapper, dançarino, produtor musical e empresário
Estelle – cantora, compositora, rapper, produtora musical e atriz

9. A Clubhouse lançou um Programa Piloto para Criadores somente para convidados.

Em dezembro de 2020, a Clubhouse lançou um Programa Piloto para Criadores com mais de 40 influenciadores. Ainda aberto a novos influenciadores, este programa inclui reuniões semanais com um dos fundadores da app, bem como acesso antecipado a ferramentas e recursos especiais dentro da aplicação.

10. A aplicação está a lançar um Programa de Subsídio para Criadores e começará a testar pagamentos para criadores.

De acordo com o blog da empresa, a Clubhouse irá financiar o seu Programa de Subsídio para Criadores para apoiar os criadores emergentes do Clubhouse. Estes apoios serão em forma de gorjetas, ingressos ou assinaturas, tal como já é usado pelo Youtube, Twitch, entre outros.

avatar
500