Velocidade, adrenalina e muita poeira, são as palavras que melhor definem o FIA World Rally Championship (WRC). Com uma pandemia que fez atrasar e até anular muitas provas desportivas por todo o mundo, o WRC não foi exceção, mas desta vez, felizmente, a espera acabou, e no mundo real uma das competições mais icónicas do universo automóvel está de volta. Com uma chegada antecipada no mundo digital, a Kylotonn, ou KT Racing como também é conhecida, foi pontual na entrega de mais uma edição do campeonato do mundo de ralis, com o novo WRC 9, para que os fãs do automobilismo possam sentir todas as emoções da prova real.

A saga WRC pode nem sempre ter brilhado, mas as mais recentes edições, com destaque especial para a anterior (WRC 8), foram bastante bem conseguidas. Com isso em conta, a expectativa no novo WRC 9 era muito grande. Será que consegue destronar o maior rival? Manterá a qualidade do seu antecessor? Ou será uma desilusão sem precedentes?

Também já sabemos que a aventura não ficará por aqui. A recentemente rebatizada Nacon (ex-Bigben Interactive), já tem confirmadas as licenças para o WRC 10 e WRC 11, e ainda antes disso, este WRC 9 chegará às consolas de nova geração PS5 e Xbox Series X, e também à Nintendo Switch.

Num ano onde o calendário da prova maior do rali na vida real foi interrompido, será que o seu jogo oficial pode brilhar ainda mais que a competição verdadeira? Apertámos o cinto, e com a importante ajuda do nosso copiloto, acelerámos pelas estradas sinuosas deste novo WRC 9.

WRC 9

WRC 9

Uma vez feito o download e instalado o jogo, a adrenalina começa a subir e a expetativa aumenta. Já estamos com o volante preparado, mas, para já, vamos dar uma oportunidade ao comando da PlayStation 4. Ao inicio, não demorámos muito tempo até percebermos o apelo que o WRC 9 tem para os verdadeiros fãs do rali e, neste caso, isso passa principalmente pelas vantagens deste jogo apresentar a licença oficial do campeonato do mundo. Os veículos presentes são iguais aos das provas reais, não apenas a nível visual, mas também no som do motor. E mesmo as restantes categorias do WRC ao WRC 3, incluindo juniores e carros históricos, todos os modelos foram representados de forma perfeita. Infelizmente, os visuais das estrelas do rali, os carros, são apenas visíveis por fora, sem a possibilidade de contemplar o seu interior. Embora conduzindo na primeira pessoa seja possível ter uma breve visão do habitáculo de cada carro, tal não se afigura suficientemente detalhado para o nível de um simulador.

Os pilotos da competição também fazem parte do jogo, muito embora, não sejam visíveis ou modelados em 3D, nem mesmo para receber troféus ou dar entrevistas, como já acontece em jogos como o F1 2020. É uma pena que isso ainda não aconteça mas, com quase 50 equipas representadas no jogo, talvez esta tenha sido uma tarefa que o estúdio preferiu deixar para o futuro.

A nível de circuitos também não nos podemos queixar, uma vez que a 9ª edição do WRC está mais que bem povoada de provas. O WRC 9 inclui os novos ralis da Nova Zelândia, Japão e Quénia, e ainda vai atualizar com os circuitos finlandês e português, que chegaram mais tarde em forma de DLC gratuito. Na verdade, a Nacon revelou a chegada de seis novos especiais, adicionados aos dois ralis europeus, com data prevista para outubro. As novas pistas refrescam um pouco a experiência visual do jogo, em especial a prova do Quénia, que foi muito bem conseguida.

Sair do Asfalto

Se os visuais surpreendem, a jogabilidade, embora mantendo um bom nível, em pouco ou nada se altera comparativamente com o anterior WRC 8, um jogo que marcou um novo patamar na série WRC. A condução continua a ser exigente e ao estilo de simulação, onde um pequeno deslize na direção pode resultar numa saída descontrolada da estrada. A sensação de velocidade também é bem conseguida, mas o realismo nas colisões não acompanha essa qualidade e, por vezes, batemos em obstáculos que pareciam estar mais distantes visualmente. Como também não existe uma função de retroceder no tempo, é necessária alguma concentração para não sairmos da prova mais cedo. A física também não é completamente realista. Demos por nós a rebolar com o carro como se fosse um brinquedo, ou saltos acrobáticos em câmera lenta, como se pesássemos apenas gramas.

O estado da pista parece afetar mais o desempenho do veículo do que anteriormente, mas uma função tão avançada como apresentar um terreno dinâmico, conforme a prestação dos outros pilotos, é uma característica que ainda só pode ser encontrada na concorrência… um tal de Dirt Rally.

Com algumas corridas finalizadas, já conseguimos perceber que o comando talvez não seja a melhor opção para este jogo. Embora existam à nossa disposição algumas ajudas, como o ABS, achamos que os gatilhos analógicos não são rápidos e precisos o suficiente para a (extremamente) sensível jogabilidade deste WRC 9. Talvez o comando da próxima PS5 possa oferecer uma melhor sensação mas, neste momento, o comando das consolas parece ficar um pouco abaixo na experiência de jogo quando comparado com o desempenho de um volante e pedais.

Ainda assim, e se olharmos para os jogos da série WRC, mal podemos acreditar no fraco trabalho que a Kylotonn fez há cinco anos com o WRC 5, e o que apresenta agora. Desde então, a franquia WRC atingiu um nível que já merece uma recomendação e apresenta-se como uma séria alternativa ao ainda mais histórico DiRT Rally, o que se configura algo impressionante. Da mesma forma, é notório que o WRC 9 foi construído sobre uma base sólida que foi desenvolvida ao longo dos últimos anos, e esperamos que isso traga ainda mais frutos no futuro.

WRC 9
WRC 9. Imagem: DR

Modo Carreira

Introduzido no WRC 8, o modo de carreira foi mantido de forma quase inalterada. Se analisarmos outros jogos que incorporam o conceito de perseguir uma carreira desde novatos até estrelas consagradas, como o FIFA, Formula 1, Tour de France, é normal encontrarmos poucas ou nenhumas novidades de uma edição para outra, e o WRC 9 padece do mesmo problema. Se em fórmula ganhadora não se mexe, também podemos argumentar que a falta de mais complexidade e inovações, podem desapontar os mais aficionados deste modo de jogo e representar uma sensação de estagnação.

Continuamos a poder iniciar uma carreira desde iniciados até às equipas de topo do WRC, numa caminhada que não requer apenas habilidade ao volante, mas também inclui tarefas de gestão. Desde a contratação de funcionários para a equipa, gestão do pessoal, realização de eventos, finanças e desenvolvimento de novos componentes, muitos detalhes estão incluídos neste modo.

Em comparação com o seu antecessor, muito pouco mudou, e a carreira ainda sofre de uma estrutura de menu desnecessariamente complicada e com uma fraca apresentação. Ainda assim, o foco geral é muito interessante, e com tanta variedade de desafios e objetivos para completar, nunca vai faltar motivação extra para continuar a subir na carreira de piloto.

Se quisermos dispensar todo o material de gestão, também existe uma alternativa no modo de jogo ‘Época’, onde também começamos na série júnior, mas podemos concentrar-nos totalmente nas corridas. Infelizmente, ainda não é possível montar um campeonato próprio com um calendário individual e totalmente personalizado, algo que seria fácil de acrescentar, uma vez que já é possível no modo Online que falaremos já a seguir.

Modo Clubes

A grande novidade deste ano passa pelo novo Modo Clubes que incorpora várias das funções mais desejadas pela comunidade. Esta nova interface, integrada no jogo base, permite criar e participar em diversos campeonatos online personalizados, e de forma ‘assíncrona’ com até oito jogadores na mesma pista (utilizando a técnica de carros fantasma). Tal como acontece com DiRT Rally, temos a opção de fundar clubes com um número ilimitado de membros, onde podemos finalmente fazer o que não é permitido em offline, ou seja, criar os nossos próprios campeonatos com calendário, condições e estatísticas individuais.

Cada evento pode ter até oito etapas, e além do clima, da hora do dia, a duração e a classe do veículo, podemos especificar até uma restrição a modelos específicos para cada etapa especial. Isto torna os clubes uma ferramenta ideal para as equipas realizarem as suas próprias competições de treino, e prepararem-se para as provas de Esports oficiais. Além do nosso, só podemos entrar em até três clubes de outros jogadores, mas com tanto por onde jogar, isso certamente não será um problema. Ao contrário do Dirt Rally 2.0, os clubes deste novo WRC 9 ainda não são multiplataforma (cross-play), uma pequena ausência de uma função cada vez mais comum.

A vantagem deste sistema, é que não é necessário que os membros de um clube estejam conectados simultaneamente para iniciar um campeonato, permitindo que cada piloto possa completar as etapas do calendário ao seu próprio ritmo. Esta é uma boa ferramenta oferecida para organizadores e amantes de torneios, com numerosos parâmetros para a realização destes eventos (duração, data, especiais, condições meteorológicas e carros limitados). Ainda assim, não existe uma interação real entre os participantes senão nas tabelas de classificação. Alguma espécie de chat, ou qualquer outra integração social, seria interessante.

Configurações

Temos de referir a ausência do português como uma das línguas faladas pelo nosso copiloto. Os textos do jogo e menus já apresentam uma versão portuguesa, mas apenas no português do Brasil, e neste caso, as grandes diferenças linguísticas em termos mais técnicos justificavam a existência de uma versão em português europeu. Pelo menos o rali de Portugal não ficou ausente do jogo! Sem pilotos nacionais representados, as pistas são o nosso mais importante ‘participante’.

Os fps do WRC 9 na consola são limitados a uma taxa de 30, enquanto no PC podem chegar aos 60. Ainda assim, não achámos que esta limitação causasse qualquer degradação visual. Os carros apresentam um detalhe exterior elevado, e a qualidade das paisagens é constante, mesmo com o carro em movimento. Ainda assim, talvez os especialistas do rali e os aficionados pelas altas taxas de atualização prefiram jogar a versão deste WRC 9 para PC.

Se conduzir de dia já é emocionante, recomendamos a condução durante o período noturno. Com um visual incrível e um ambiente de luzes perfeito, o foco passa completamente para a estrada.

A ausência de um modo fotografia levantou algumas questões. Um jogo com carros icónicos é sempre de aproveitar para captar os momentos mais emocionantes de uma prova. Aqui há boas notícias. O estúdio já confirmou um Modo Foto que virá com as futuras atualizações. Também está prometido um Modo de Co-piloto onde podemos convidar um amigo. Assim, se falharmos uma prova, já temos quem culpar!!

Veredito

A KT Racing continua fiel ao seu lema “O melhor para o fim”, e parece estar decidida a melhorar cada vez mais a sua experiência de rali. O novo WRC 9 pode não surpreender tanto quanto o seu antecessor, mas é certamente mais um passo na direção certa. O modo carreira segue inalterado, mas a novidade do modo clubes, as pequenas melhorias na física de condução, e todo o detalhe visual que recria a prova real, são o grande foco desta edição. O WRC 9 é um justo concorrente para a liderança dos simuladores de rali.

[Análise baseada na versão retail do WRC 9 para PlayStation 4, gentilmente cedida pela Uploadistribution]

Positivo
Licença oficial do FIA WRC com todos os carros, equipas e pilotos.
Muitas pistas e percursos reais para percorrer.
Novo modo clubes traz mais conteúdo e competição online.
Atualizações gratuitas no futuro.
Jogabilidade tem um bom nível.
Negativo
Modo carreira não sofreu grandes melhorias.
Mecânica de danos e choques ainda precisa de melhorias.
Sem multijogador local.
83
Muito Bom
avatar
500