O comboio está quase a partir, mas é então que reparamos que a linha não está completa! O que podemos fazer? Felizmente, somos habilidosos o suficiente para construir o resto da via-férrea, mesmo enquanto a locomotiva já circula, e nem sequer temos de o fazer sozinhos.

Desenvolvido pela Indoor Astronaut, esta é a proposta base de Unrailed!, um jogo que a produtora classifica como um ‘Roguelike’ cooperativo, e onde o comboio é a verdadeira estrela da trama.

Já desde 2019 em acesso antecipado, Unrailed! chegou agora aos PC e às consolas com uma versão final e mais completa, que, entre outras coisas, introduz novos modos de jogo e locomotivas. Esta análise terá em conta todo o seu conteúdo, e não apenas as novidades desta versão completa, neste caso para o PC (via Steam).

Com uma jogabilidade aparentemente muito simples, será esta uma fórmula de sucesso, ou é apenas mais um ‘mini-jogo’ que se dilui na imensidão de novos títulos indie que surgem com cada vez mais qualidade? Para descobrir, acendemos a fornalha e metemos mãos à obra, para que a nossa linha nunca termine, nesta pitoresca aventura de Unrailed!.

Unrailed!

Unrailed!

À primeira vista, Unrailed! pode parecer demasiado simples para ser interessante, mas como já aconteceu vezes sem conta, as aparências iludem. Embora classificado como um ‘roguelike’, um subgénero dos clássicos RPG, é notório que a jogabilidade acaba por retirar pouco dessa temática, como a evolução do comboio e a aleatoriedade na geração dos mapas. Unrailed! apresenta algumas semelhanças com os jogos ‘Tower defense’, uma vez que vamos construindo ao mesmo tempo que avançamos no terreno.

Já no que se refere à componente cooperativa, Unrailed! utiliza todas as armas que pode para entregar uma boa experiência ao jogador, onde a componente multijogador é a que mais se destaca.

Jogo em linha… férrea

Como já referimos, o grande foco deste jogo é o facto de termos um comboio em movimento, e uma linha inacabada. Esta é uma forma inteligente de obrigar o jogador a agir, e a dificuldade de cada partida está associada à velocidade com que o comboio se desloca. Para construir mais linha, não basta colocá-la no chão. É preciso construi-la a partir de recursos que encontramos no mapa. Para isso, temos à nossa disposição um machado e uma picareta, ao estilo ‘Minecraft’, com os quais podemos recolher ferro e madeira, ao mesmo tempo que abrimos o nosso caminho por entre florestas e montanhas.

O material recolhido é colocado numa das composições do comboio, onde magicamente são transformados num produto final, as preciosas linhas férreas. A construção destas linhas é automática, para nossa comodidade. Com as linhas na mão, só temos de preencher o percurso restante para que o comboio não descarrile. Ao inicio pode parecer simples, mas ao jogar sozinho, a tarefa rapidamente torna-se rapidamente complicada, uma vez que temos de coordenar a colocação da linha com as restantes tarefas de recolha, construção e até de arrefecimento da locomotiva. Sim, a locomotiva pode sobreaquecer e explodir! Para impedir este caótico desfecho temos de encher a cisterna do comboio com água que recolhemos com um balde. Tal como a picareta e o machado, não é boa ideia perder de vista este precioso utensilio ou estaremos condenados a falhar a missão. Sem eles, é impossível que o nosso comboio sobreviva.

Coordenação e Cooperação

Para facilitar a tarefa, Unrailed! oferece-nos uns precisos ajudantes controlados pela IA. Para além de poderem ser úteis, já que se comportam automaticamente, também recebem algumas ordens dadas pelo jogador, embora estas sejam algo limitadas e com muitos cliques à mistura. Obviamente, estes pequenos ferroviários automáticos não substituem a ajuda de jogadores reais. É notório que Unrailed! foi pensado para jogar em equipa, e é aqui onde este jogo mais brilha.

A jogabilidade foi pensada para o multijogador, local ou online, de modo que a vertente a solo torna-se, não só complicada, como também bastante entediante muito rapidamente. Não temos uma real motivação para continuar a recolher material, construir e fazer a manutenção do comboio, completamente sozinhos. A mecânica torna-se repetitiva, e mesmo com as pequenas recompensas ao fim de cada missão bem sucedida, a sensação é algo curta. Com amigos, a história muda de figura, e uma boa (ou não) coordenação, garante certamente algumas gargalhadas, mas disto ainda falaremos um pouco mais à frente.

Unrailed! tem ainda alguns pequenos detalhes que deviam ser melhorados. Falta um aviso que alerte o jogador quando a picareta ou outro utensilio estão quase a sair do campo de visão do mapa, ou ficarão perdidos para sempre, já que é impossível voltar para trás, comprometendo imediatamente toda a missão. Os nossos ajudantes também podem bloquear-nos o caminho, impedindo-nos de andar ou atingir um certo ponto no mapa – algo que se torna uma forma especialmente frustrante de perder o jogo. As transparências menos bem executadas, e os nomes dos jogadores, além dos objetivos escritos no ecrã, também podem ocultar elementos importantes da jogabilidade, e como todos os segundos contam, estes problemas podem levar-nos a perdermos uma partida que parecia ganha.

Num jogo tão simples, estes detalhes podem parecer aparentemente insignificantes, mas infelizmente atrapalham a experiência ao ponto de ser obrigatória a sua referência.

Melhorias e Gestão

Unrailed! baseia-se num triângulo de três vertices – gestão, velocidade, e alguma paciência. No meio de gargalhas e descontração, o jogo pode ser bastante punitivo. Sem uma estratégia previamente definida, com prioridades e tarefas alocadas a cada jogador, aquilo que à partida podia ser uma forma de divertimento, rapidamente se torna numa fonte de desmotivação e desinteresse. Unrailed! não é um jogo tão fácil quanto parece e, se à partida pode parecer algo infantil, é muito mais do que isso. Acaba por ser uma ferramenta de interação social, que fomenta o espírito de entreajuda e capacidade analítica.

Ao lado da mecânica principal do jogo, que se baseia num comboio e uma linha inacabada, Unrailed! apresenta vários elementos extra que modificam a experiência do jogador. Em primeiro lugar, cada bioma oferece a sua quota de novos recursos e desafios. Enquanto a planície (a primeira área do jogo) é bastante fácil de navegar, com poucos obstáculos e muitos recursos, o deserto é muito mais limitado em pontos de água e é muito mais difícil de contornar. As rochas indestrutíveis vêm também reduzir as margens de manobra, e existem locais ainda mais estranhos para ultrapassar.

Da mesma forma, vários eventos aleatórios podem atrapalhar o jogo, como o aparecimento de um Yeti no bioma da neve, ou o anoitecer que dificulta a visibilidade. Esta diversidade traz um verdadeiro desafio extra à aventura que, mantendo-se repetitiva a longo prazo, continua a valer a pena jogar, especialmente no modo multijogador.

Sempre que completamos uma missão, o jogo oferece-nos a possibilidade de melhorar o nosso comboio. Estes melhoramentos são pagos com os parafusos que recolhemos no mapa ou completando os objetivos bónus definidos no início do jogo.

Com estes extras, podemos aumentar a quantidade de recursos que o vagão pode transportar ou até mesmo aumentar a velocidade de fabricação das linhas férreas. Mas as melhorias não se ficam por aqui, e além de podermos melhorar os vagões que já temos, podemos também comprar novos vagões, como os vagões luminosos, que iluminam a noite, o vagão fantasma, que nos deixa passar por ele, ou o aspirador, que coleciona os recursos próximos. Os exemplos são variados e bastante numerosos, e será necessário entender o funcionamento de cada um deles para sobreviver o maior tempo possível.

Multijogador

Como já referimos, a grande força deste jogo está no seu carácter multijogador, que permite que até quatro jogadores partilhem uma sessão local e/ou online. Se os primeiros níveis se revelam bastante fáceis, os restantes acabam por ser mais interessantes, e é aí que a jogabilidade atinge todo o seu potencial. Distribuir as diferentes tarefas torna-se uma necessidade absoluta e, os pequenos erros organizacionais podem custar uma ou duas amizades.

Também é possível jogar com estranhos e comunicar com um sistema de emoticons bastante bem pensado, que indica claramente o que precisamos transmitir (necessidade de um recurso específico, indicar uma rota a seguir colocando marcadores, etc). Da mesma forma, quando estamos a jogar sozinhos, a IA que nos acompanha também pode ser controlada dessa forma, mas aqui as coisas não funcionam tão bem. A IA parece minimamente eficaz, mas com tanto para gerir, até nos esquecemos do pequeno ferroviário que, sem indicações, torna-se inútil quase imediatamente.

Por fim, temos de falar no modo Showdown, que é o mais próximo que Unrailed! chega de um verdadeiro modo PvP (jogador contra jogador). Aqui é possível jogar a solo, 1vs1, ou em pares, 2vs2, onde vence a equipa que avançar mais rapidamente no terreno. Como se o caos não bastasse, ainda podemos atrapalhar o avanço do adversário utilizando um canhão e explosivos…. Claramente não vamos aconselhar este modo a grupos de amigos, ou talvez sim… mas tenham calma!

Veredito

Unrailed! não é o jogo mais completo e/ou complexo que pudemos testar nos últimos tempos, mas é certamente um dos mais divertidos de jogar com amigos. A nível individual, deixa um pouco a desejar, principalmente pela sua jogabilidade altamente repetitiva, e pelas pequenas falhas de conceção difíceis de explicar para um jogo que já apresenta um ano em acesso antecipado.

A nível cooperativo, Unrailed! oferece uma experiência mais interessante e bem mais completa. A divisão de tarefas e a simplicidade da jogabilidade, fazem desta uma aventura perfeita para jogar com um grupo de amigos.

Se à partida pode parecer algo infantil, Unrailed! é muito sério na sua conceção e no desafio que apresenta. Além de estimular a capacidade analítica dos jogadores, cria desafios ao estilo de puzzle que devem ser rapidamente resolvidos, além de fomentar a socialização. Uma estratégia bem delineada e uma comunicação eficaz são fundamentais para o sucesso de cada missão.

O preço relativamente reduzido (cerca de 20€), e a possibilidade de jogar num formato de Co-op local e/ou online, fazem de Unrailed! uma das melhores ofertas do mercado para um jogo deste género. Divertido e localizado em português (do Brasil), talhado para partidas casuais e sem qualquer tipo de violência, é uma boa opção de serão para toda a família.

Positivo
Excelente modo co-op, local e online.
Visuais alegres e divertidos.
Jogabilidade simples e sem violência explicita.
Desafios inteligentes que estimulam a capacidade a capacidade cognitiva.
Negativo
Pequenos erros de conceção degradam a jogabilidade.
Modo a solo torna-se rapidamente complicado e entediante.
Potencial de jogo algo limitado.
72
Bom
avatar
500