Análise: SnowRunner

0

O simulador de camiões de carga mais realista do universo está de volta! SnowRunner pertence à família Spintires, uma franquia que remonta a 2014 com o lançamento apaixonado do primeiro título. O primeiro ‘labor of love‘ foi o resultado da contribuição de milhares de fãs e entusiastas da ideia de Pavel Zagrebelnyj, um programador russo que viu na plataforma de crowdfunding uma forma de cumprir um sonho. Assim nasceu Spintires, exclusivamente para PC, o primeiro simulador da franquia, que viria a ser o título mais vendido na plataforma Steam nos dias seguintes ao seu lançamento, tendo mantido o top 10 no mês seguinte, com mais de 100 mil cópias vendidas. O sucesso foi ainda maior quando a editora Oovee disponibilizou um criador de camiões e mapas na Steam Workshop, com a adesão massiva da comunidade. Desde então Spintires vendeu mais de um milhão de cópias, um número impressionante para um jogo Indie. Dois anos depois surge o primeiro spin-off. Com o título Spintires: MudRunner, serviu como uma continuação atualizada de Spintires, mas desta vez também para as consolas. Desenvolvido pela Saber Interactive e publicado pela Focus Home Interactive, MudRunner recebeu vários DLCs que acrescentaram mais conteúdo, novos mapas, camiões e equipamento ao já extenso jogo original.

A 28 de abril de 2020 surge a primeira sequela de Spintires: MudRunner. Com o mesmo DNA e ainda mais conteúdo, SnowRunner apresenta-se como a nova proposta da Saber Interactive, desta vez por terras geladas do Alasca, nos EUA. Agora sem o prefixo “Spintires”, SnowRunner é novamente publicado pela Focus Home Interactive, para PC (via Epic Game Store), Xbox One e PlayStation 4. Uma cópia da edição standard do jogo para PS4, gentilmente cedida pela Ecoplay, permitiu-nos fazer esta análise e relatar-vos uma experiência que tem tanto de relaxante, como de emocionante!

SnowRunner

SnowRunner

Este é um simulador totalmente realista de condução todo-o-terreno, onde o jogador terá de executar várias tarefas e trabalhos de transporte de carga pesada, durante percursos de estrada, lama e neve, nas condições climáticas mais inóspitas. O desafio não se esgota no transporte ou no sucesso das missões. Existem vários carros, atrelados, equipamentos e cosméticos para desbloquear, mapas para descobrir e desafios para conquistar. Além disso, SnowRunner inclui um modo multijogador cooperativo e um passe de temporada que permite o acesso a mais conteúdo exclusivo. Falarei mais detalhadamente sobre cada um destes temas mais à frente.

Se estás a ler esta análise é porque gostas de jogos deste género, ou tens curiosidade e queres conhecer melhor o que SnowRunner tem para te oferecer? Ainda bem! A pergunta não é de todo despropositada. Este não é um jogo para pessoas frágeis e ansiosas. Aqui, os bravos da condução não são aceleras, nem fazem acrobacias a alta velocidade. A paciência, a estratégia e a ponderação são predicados comuns para qualquer condutor de pesados de carga.

Em SnowRunner, a experiência começa com uma atitude relaxada, sentado ao volante do teu primeiro carro, um Chevrolet CK1500, numa estrada qualquer do Michigan, enquanto observas o pôr do sol a desaparecer ao fundo, entre a densa floresta de pinheiros brancos. A primeira tarefa, como novatos no transporte de carga, ou, como agora se diz, “reposicionamento de bens” leva-te ao teu primeiro camião, um GMC MH9500, que virá a tornar-se o teu mais fiel amigo para uso genérico em todo o tipo de terrenos, durante as tuas primeiras missões. Com ou sem carta de pesados, o GMC tem uma condução muito fácil e, em algumas situações, até divertida. Se dúvidas, prepara-te para passar horas a usar guinchos entre troncos de árvores para sair de situações ridiculamente incontornáveis!

SnowRunner
SnowRunner. Imagem: Actigamer

O tutorial permite a qualquer jogador, iniciante ou experiente, aprender os conceitos básicos do jogo, e por ‘básicos’, quero dizer que apenas roça a superfície de todo o manancial de opções, configurações e painéis de SnowRunner. Se por um lado, isto permite-nos aprender o jogo à medida que formos jogando, por outro, por vezes é frustrante tentar descobrir coisas tão simples como acender as luzes da viatura. Apesar do tutorial ser pequeno, acompanha-te durante a primeira missão – a reparação de uma ponte que te dará acesso ao resto do mapa. Além do tutorial, ainda podes contar com muitas dicas que vão aparecendo ao longo do jogo, uma espécie de ‘conselheiro’ em missões difíceis ou situações complicadas.

A Simulação

Conduzir um camião num ecrã pode ser uma tarefa complicada, levando muitas vezes ao desespero, e consequente abandono do jogo. Para facilitar o processo, muitos estúdios seguem a tendência e sucumbem à pressão, introduzindo nos jogos automatismos em tarefas e limites no erro, tornando os jogos pouco realistas e simples e, por isso, acessíveis a mais jogadores que orgulhosamente esbanjam talento nos comandos. Se isto pode não ser um problema em jogos mais arcade, já nos simuladores queremos que o realismo seja levado a sério, mesmo que isso implique algumas perdas na comunidade.

Uma reflexão interessante seria até que ponto um jogador hardcore de simuladores estaria disposto a pagar mais por uma experiência mais realista, permitindo ao estúdio e editora dispensar o público ocasional que ajuda a pagar contas. SnowRunner, felizmente, é um simulador dos mais realistas que conheço, e nem por isso teve de subir o preço de venda. É certo que será dirigido a um micro nicho de jogadores que consome simuladores de condução e que gostem de camiões, mas a coragem de não introduzir atalhos para agradar a todos é por si meritório. Apesar de SnowRunner introduzir algumas facilidades, como o resgate automático, a essência do jogo, a condução, é muito realista e supera outros simuladores do género.

Carros e Camiões

A oferta é tão vasta que daria para abrir um stand de venda de usados, com a única diferença que em SnowRunner todos os veículos são novos, pelo menos na aparência. Distribuídos por cinco classes diferentes, todos os veículos são personalizáveis, não só nas características, como na decoração. A lista de opções é gigante! Muitas estão bloqueadas, e todas são compráveis com dinheiro do jogo. Se sempre quiseste ter um KOLOB 74941 cor-de-rosa com pneus dentados, correias de neve e uma buzina musical, aqui é possível!

Os batedores são os veículos todo-o-terreno inatos para exploração. São leves, com tração às quatro rodas e permitem levar vários addons muito úteis para resgate e sobrevivência.

Os genéricos do asfalto, de onde se destaca o nosso camião inicial GMC MH9500, são os transportadores de carga ideais para quando as missões permitem um trajeto por estrada. Se a carga for em quantidade ou obrigar ao transporte de atrelados, os camiões rebocadores são a escolha a tomar. Os monstros do todo-o-terreno também têm lugar em SnowRunner. Afinal como podíamos esquecer o Western Star 6900 TwinSteer, capaz de atravessar oceanos de lama, montanhas de neve ou bacias alagadas? Estes são os músculos para todo o trabalho. Por fim, também temos o pináculo da criação, os deuses da carga todo-o-terreno, a jóia da coroa de qualquer camionista que se preze! Os camiões todo-o-terreno, muito deles de classe militar, são capazes de superar qualquer obstáculo. Imagina conduzires um International PayStar 5070, enquanto transportas toneladas de placas de ferro entre oceanos de lama e bancos de neve. Mas cuidado! Conduzir um monstro destes não é tarefa fácil e SnowRunner é muito preciso no seu realismo.

São cerca de 40 veículos diferentes, americanos, russos, militares, de exploração ou de trabalho, a oferta inicial de SnowRunner é substancialmente maior do que o seu antecessor Spintires: MudRunner, com 19 veículos disponíveis. Outra curiosidade que importa salientar é a possibilidade de agora podermos personalizar cada veículo. Como já referi, a lista é enorme, com opções que vão desde as decorações cosméticas até às características técnicas e detalhes configuráveis. Uma função que não existia em MudRunner. Quanto aos addons, ou seja, os extras que podemos comprar para equipar os nossos veículos e facilitar as nossas missões, como um rack de teto com jerricans de combustível ou um giroflex circular que alerta a nossa presença nas noites escuras, não são novidade, mas agora apresentam uma maior variedade de opções.

Com o aumento do número de veículos, também era esperado que houvesse maior número de materiais de carga e a Saber Interactive diz – “Sim!”. Agora existem 21 tipos de carga diferentes, ao contrário de MudRunner que apenas tinha madeira. Por fim, SnowRunner conta com 18 veículos licenciados, o que significa que os seus modelos 3D foram expressamente reproduzidos ao ínfimo detalhe, conferindo uma autenticidade incrível. Sobre os visuais do jogo, há muito mais a dizer!

O preço dos camiões é por vezes exagerado, obrigando a muitas horas de jogo para juntar os valores exigidos, o que pode configurar um importante obstáculo, principalmente no inicio do jogo. Felizmente existe outra opção!

Muitos camiões estão perdidos nas zonas mais difíceis e inesperadas do mapa, e podem ser resgatados gratuitamente para a tua garagem. Esta é uma forma simples fácil de aumentar a tua frota. Explorar o mapa compensa!

Trabalho Pesado

Enquanto os batedores são pequenos utilitários que servem para explorar o mapa, os camiões servem para o trabalho pesado. SnowRunner oferece oito atividades diferentes, que podem ser realizadas através de contratos de trabalho com as várias empresas disponíveis em cada mapa, pequenas tarefas pontuais onde nos é pedido que intervenhamos no auxilio a acontecimentos ‘inesperados’, e desafios onde é proposto que completemos um percurso no mapa, ou missão, num tempo mínimo.

As atividades podem variar, entre o transporte de materiais, ajudar um amigo camionista que ficou preso na neve, ou levar placas de ferro para conter uma derrocada, mas todas elas são previamente aceites (ou não) por ti. Em SnowRunner nada é obrigatório e cabe a ti decidir qual o teu objetivo seguinte.

Todas as atividades atribuem pontos de experiência e pagamento monetário, que acrescenta a tão essencial moeda do jogo ao nosso saldo. Com ela podemos comprar mais camiões, melhoramentos, atrelados e addons.

Felizmente, ou talvez não, o combustível é grátis e as reparações também. Basta encontrarmos um posto de combustível ou voltar à nossa garagem e o veículo que estamos a utilizar fica automaticamente reparado e com o depósito cheio, completamente por conta da casa. Ah, se fosse assim tão simples no mundo real! Será que SnowRunner devia cobrar pelo combustível? Tendo em conta a séria dificuldade dos muitos percursos sinuosos e a quantidade de quilómetros que temos de realizar para completar uma missão, talvez fosse injusto ainda termos de pagar pelo precioso óleo.

No entanto, uma das características diferenciadoras de cada veículo é a sua optimização no consumo de combustível. Ora, se aqui a gasolina é grátis, porque razão me importa poupar? As reparações gratuitas e automáticas também são difíceis de compreender. Então de que serve ter uma paciência de Jó para fazer uma condução segura e disciplinada se, a qualquer momento, posso reparar um camião em chamas e, sem qualquer custo, restaurá-lo igual ao modelo de fábrica?! Por muito reduzido que fosse o custo da reparação, julgo que devia sempre haver uma fatura a pagar.

Neste ponto, SnowRunner não oferece nenhuma recompensa pela boa condução, a não ser evitar termos de percorrer todo o percurso novamente, especialmente quando ficamos imobilizados perto do objetivo.

Falta ainda dizer que os impactos do veículo contra rochas, árvores e outros objetos do mapa são realistas, mas não apresentam real dano no veículo. Experimentei bater o meu ANK Mk38 repetidamente contra a parede da garagem, resultando em pequenos e insignificantes danos no motor e na carroçaria. É certo que o Mk38 é um todo-o-terreno 6×6, de classe militar, com carroçaria reforçada, mas a garagem não é! E nem mesmo atirar o Don 71 pela ponte abaixo, mergulhando-o no rio, é o suficiente para afundar o motor! Resulta em alguns danos, é certo, mas não o suficiente para o imobilizar. Podemos sempre utilizá-lo como submarino.

Já deves ter reparado que refiro várias vezes o nome de cada camião, e isso não foi ao acaso. Os camiões são os heróis em SnowRunner, a sua essência, e devem ser elogiados. Quem não gostaria de ter à porta de sua casa o último monstro da Caterpillar? Talvez para dar uma voltinha? SnowRunner é sobre camiões todo-o-terreno!

Física e Jogabilidade

Para um simulador de condução de veículos todo-o-terreno, a física é talvez o detalhe mais importante e que deve merecer um capítulo exclusivo nesta análise. Já referi que conduzir um camião não será tarefa fácil, mas se imaginarmos conduzir camiões todo-o-terreno, por percursos lamacentos, inundados ou cobertos de neve, nas condições climáticas mais inóspitas, a tarefa que já não era fácil tornou-se radicalmente impossível! SnowRunner apresenta um detalhe impressionante quanto à física da condução, do terreno, do peso da carga e até do clima.

Com um motor de jogo completamente novo, e uma física que reage a todos os nossos inputs, é incrível a forma como podemos experimentar conduzir estes camiões únicos diretamente a partir do nosso sofá, tal como se estivéssemos, de facto, sentados ao volante destes monstros.

O realismo é tão exímio que chegamos a sentir o deslizar dos pneus pela encosta de uma colina gelada. Embora os camiões todo-o-terreno sejam gigantes e com pneus à prova de quase tudo, não significa que possamos ignorar os obstáculos que se apresentam à nossa frente. Por vezes, basta uma pedra mais afiada para furar um pneu, ou um tronco caído para desviar a nossa trajetória. Podemos passar por cima de tudo, mas com cautela! Os rios são muito traiçoeiros. Não sabemos a sua profundidade, nem a força da sua corrente. Um camião mais leve é facilmente empurrado pela corrente, enquanto um veículo ligeiro fica imediatamente inundado.

Nos lamaçais, é recomendável utilizar as margens menos pisadas por pneus em viagens anteriores. O jogo tem memória do desgaste do terreno sempre que passamos pelo mesmo percurso e, se acontecer entrarmos num caminho demasiado irregular, é comum ver o volante a criar resistência ao girar as rodas. O mesmo acontece nos bancos de neve, ou nas travessias de rios ou lagos. Para além de atribuírem um sério realismo ao jogo, também sujam os camiões a um ponto irreconhecível ou uma forma artística de pintura. Felizmente, também aqui, não somos cobrados por cada lavagem na estação de serviço!

Já que falamos em condições adversas de condução, há uma função em cada veículo que vai ser extraordinariamente útil em todas e quaisquer missões, tarefas ou desafios. Apresento-te o guincho! O guincho é tão útil que este jogo podia chamar-se SnowGuincho que faria completo sentido. O guincho é o teu melhor amigo, o teu confidente, aquele que queres convidar para a tua festa de aniversário! O guincho e tu irão passar horas intermináveis numa confraternização saudável a cada missão. É impossível jogares SnowRunner sem usares o guincho a cada cinco minutos.

A menos que estejas estacionado na garagem e, mesmo aqui, podes sempre comprar um guincho melhor para o teu camião! De facto, o guincho é o melhor auxilio para atravessar terrenos difíceis, e por isso não há que ter vergonha em abusar dele. A mecânica do jogo permite até lançar o guincho para o tronco ou poste mais próximo automaticamente, com um único clique. Imagina navegar em terrenos impossíveis atirando o guincho para a esquerda e depois para a direita repetidamente, enquanto avanças no terreno, como um verdadeiro camionista-aranha!

Apesar das missões parecem fáceis à partida, afinal de contas será só levar uma carga do ponto A para o ponto B, nem sempre isso significa dinheiro fácil. Já sabemos que atravessar percursos difíceis requer alguma destreza e paciência, mas posso já adiantar-te que não esperes que esse seja a tua única dificuldade. Uma preparação e planeamento cuidados são a melhor opção. Por exemplo, algumas missões requerem mais do que um camião para atravessar alguns percursos. Podes conduzir os dois camiões, ou um camião e um rebocador, ao mesmo tempo, utilizando o teu precioso amigo guincho, e alternando entre as duas viaturas nos terrenos mais complicados. Este não é um jogo linear de caminho direto entre dois pontos para a conclusão de um objetivo. Há que ter alguma inteligência, criatividade e capacidade de improviso.

Um detalhe que importa salientar é o facto de SnowRunner apenas permitir uma única gravação de jogo. Isto significa que não podemos ter várias gravações com diferentes progressos, para diferentes jogadores. Aqui, o progresso é único e a gravação é automática, por isso cuidado com as experiências!

Mapas e Visuais

Para além dos camiões, esta é a parte do jogo mais surpreendente. SnowRunner inclui três mapas distintos, com percursos e veículos para desbloquear. Cada mapa contém várias regiões e cada região tem novas empresas, mais contratos, tarefas e desafios. Esta introdução pode já dar a ideia de todo o manancial de atividades e oferta que este jogo tem para oferecer. Se ainda não estás convencido, posso acrescentar que SnowRunner inclui uma área jogável de 30 quilómetros quadrados, que é significativamente maior do que a área de MudRunner, com 8.25 quilómetros quadrados. Com tanta oferta, só falta descrever cada um dos mapas.

SnowRunner
SnowRunner. Imagem: Focus Home Interactive

Michigan, nos EUA, é o mapa inicial. Com um clima temperado, é aqui que podemos encontrar as missões mais fáceis e os veículos mais comuns. Bom… fáceis no sentido de que o mapa será o menos agressivo dos três, com os menores percursos entre missões, porque cada missão é um verdadeiro desafio em qualquer mapa. Michigan está dividido em três regiões. Rio Negro é a região inicial, enquanto as outras estão bloqueadas até à realização de alguns contratos e tarefas.

O mesmo acontece em Taimir, na Rússia. Este é um mapa inóspito, com terras alagadas, muita humidade, lamaçais e um nível de dificuldade extremo. Jogar neste mapa permite desbloquear alguns veículos imponentes, como o DAN 96320. O mapa russo está dividido em duas regiões. Por último, temos o Alasca, nos EUA, o mapa que dá motivo ao jogo, ou não fosse este o mapa coberto de neve, um ambiente pela primeira vez visto na saga. Com duas regiões, este mapa desbloqueia veículos únicos, como o muito útil International Loadstar 1700. Inclui terrenos muito acidentados, com subidas íngremes, bacias alagadas e percursos especialmente longos entre missões.

A vantagem de percorrer os três mapas de jogo é percebida quando compreendemos que temos de desbloquear alguns camiões num mapa, para nos ajudar a completar missões noutro mapa. Em SnowRunner temos um depósito espacial. Sim, leste bem, espacial. É um depósito que fica na Lua, onde guardamos todos os camiões e veículos que encontramos ou compramos. Bom, não é uma garagem oficial do jogo, mas de certeza que fica algures no ciberespaço entre o mapa onde nos encontramos e algures no espaço sideral. Este depósito serve para transferir veículos entre mapas, no entanto, só podemos ter seis ativos de cada vez.

Cada mapa está desenhado de forma extraordinariamente detalhada, com visuais ao nível do melhor que pode ser feito atualmente, e um cuidado especial nas cores, enquadramentos e modelos. Cada parte do mapa parece esculpido do mundo real, formando paisagens inspiradoras. Se não te apetecer conduzir, leva o teu veículo para a colina mais próxima, estaciona-o, e fica a admirar o por do sol, ou a neve a cair. Este jogo é um verdadeiro postal, com paisagens lindíssimas, a acrescentar uma banda sonora ao estilo country instrumental que faz jus ao cenário.

Mas se tudo parece demasiado maravilhoso, é porque há algo terrível escondido à espera de ser revelado. Assim farei. Sem mais delongas, o mapa é incompleto, inacabado, morto. Parece que acordámos no abrigo de Fallout e viemos até à superfície para encontrar um mundo desolado pós-apocalíptico, onde não se ouve um pássaro, não se vê uma pessoa, não existem carros. Um cenário assustador de natureza morta. Perante isto, o que fazemos? Vamos transportar madeira…

Este é um problema que vem desde os primórdios da saga, com criticas da comunidade, mas que o estúdio nunca soube resolver. Para compensar, existe agora um maior detalhe na folhagem, lama, água e luz, como quem sugere, ‘como não temos mais nada, vamos melhorar o que temos!’.

Já falei nos detalhes extraordinários dos carros e camiões, mas ainda não tinha referido que os cockpits são igualmente incríveis, com detalhes impressionantes, que permitem uma imersão muito realista no ambiente de jogo. Só é pena não podermos carregar em todos os botões, pelo menos visualmente. No exterior, o fumo dos escapes, a buzina e derrape dos pneus são bem assinalados com efeitos convincentes.

A interface gráfica de SnowRunner foi completamente redesenhada, apresentando um conjunto de menus de fácil navegação. Se à partida podem parecer confusos, bastam algumas horas de jogo para navegarmos de olhos fechados e sem hesitar.

Multijogador Coop

Em SnowRunner podemos partilhar o jogo com até mais três amigos, em ambiente de coop, pela Internet. Como jogámos na PlayStation, esta funcionalidade obriga a uma subscrição PlayStation Plus, e por isso, ficámos à porta daquela que podia ser uma experiência deveras interessante. Ainda assim, não deixámos de perguntar à comunidade que opinião tinham do coop de SnowRunner. A resposta foi unânime. Se o modo é cooperativo, esperavam que todos os participantes ganhassem de igual forma com o progresso no jogo, pois aqui isso não acontece. Entre quatro jogadores, um será o host, convidando até três amigos a juntarem-se à sua sessão. Todo o progresso no jogo é apenas atribuído ao host, enquanto os outros ganham alguns pontos de experiência e dinheiro, sempre que completam uma atividade. Quando o coop termina, o host mantém o progresso, enquanto os outros participantes terão de repetir todo o percurso novamente, se quiserem progredir nos seus jogos individualmente.

Esta é uma das queixas mais repetidas na comunidade. Uma função que não é nova na saga, mas que se mantém inalterada.

Passe de Temporada e Mais Conteúdo Grátis

A experiência de SnowRunner não se esgota no dia do lançamento. Estão planeados quatro lançamentos de conteúdo, incluindo uma expansão. Ainda sem datas previstas, a editora adiantou que irá demorar um ano até esgotarem as quatro fases. As primeiras três fases incluem conteúdo grátis para todos os jogadores, e conteúdo exclusivo para detentores do Passe de Temporada, enquanto na quarta fase, a expansão é exclusiva para os titulares do Passe de Temporada.

SnowRunner
SnowRunner. Imagem: Focus Home Interactive

A primeira fase, “Search & Recover“, irá incluir uma nova região para Taimir (Rússia), uma nova atividade, novos cosméticos para veículos, mais addons, novas missões e desafios, além de ferramentas de edição de mapas. Este conteúdo será grátis e disponível para todos jogadores. Os detentores do Passe de Temporada recebem ainda um novo mapa de inverno na Rússia, mais três veículos, um novo addon e cosméticos exclusivos.

Os jogadores que encomendaram SnowRunner antes do seu lançamento, receberam gratuitamente o Navistar 5000-MV, um poderoso camião de carga. A edição premium inclui o jogo base e o passe de temporada.

Veredito

Os gigantes do todo-o-terreno estão de volta à estrada, e depois de em Spintires e MudRunner enfrentarmos a lama e a terra batida, no novo SnowRunner temos a neve e o gelo como novidades na saga. Com mais veículos, missões, maior área jogável e novas funcionalidades, do que nos seus antecessores, além de um realismo impressionante, SnowRunner é o pináculo dos simuladores de todo-o-terreno de carga pesada.

O objetivo do jogo resume-se ao cumprimento de missões, tarefas ou desafios, mas a experiência não se esgota na sua conclusão. O percurso é ele próprio a experiência. Atravessar caminhos impossíveis, com lamaçais, bancos de neve, rios ou lagos, ao volante de camiões gigantes excecionalmente detalhados, enquanto contemplamos uma paisagem inspiradora, transmitem-nos emoções difíceis de igualar.

SnowRunner oferece a ideia de que somos nós quem está no controlo do jogo. Aqui, não somos obrigados a nada e muito menos seguir percursos pré-definidos. Com três mapas enormes, os maiores da saga, e completamente abertos, somos convidados a explorar todos os cantos, com recompensas para os mais pacientes. Além disso, as tarefas estão integradas com o mundo do jogo, como reparar uma ponte que dá acesso a outra área do mapa, ou ajudar um amigo camionista dá acesso a um camião grátis. Uma característica que atribui mais realismo e propósito ao nosso jogo.

A jóia da coroa de SnowRunner são os camiões e os visuais. Com detalhes impressionantes, este jogo nem precisa ser jogado para ser incrível. Basta estacionar o camião e ficar a admirar o ambiente. Apesar de estarmos sozinhos no mundo de SnowRunner, com uma natureza morta que nos envolve, um problema que persiste desde o inicio da saga, o trabalho de luz e o maior detalhe nas folhagens, lama, rios e neve, compensam de alguma forma o cenário por si pós-apocalíptico, típico de um jogo de sobrevivência.

O modo coop de SnowRunner precisa de trabalho. Com sessões partilhadas até quatro jogadores, apenas o host beneficia do progresso realizado, deixando os outros jogadores descompensados pela ajuda prestada. Esta é uma queixa recorrente na comunidade desde o primeiro jogo da saga.

Por fim, fala-se tanto de que os jogos incutem comportamentos violentos nos jogadores, principalmente nos mais jovens, SnowRunner é prova de que existem opções que atribuem não só valores positivos de perseverança, autoestima e autocontrole, como fomenta o exercício de planeamento, organização e preparação para o desempenho de tarefas. Este não é um jogo originalmente educativo, mas certamente promove o desenvolvimento cognitivo de quem o joga.

SnowRunner exige paciência e dedicação. Não é um jogo para meia dúzia de sessões. Aqui, o trabalho pesado é levado a sério, e o esforço recompensado. Os fãs de simuladores de condução têm de experimentar, e os curiosos também. SnowRunner é capaz de converter os mais céticos em fãs incondicionais de camiões todo-o-terreno. Quanto mais jogamos SnowRunner, mais queremos jogar. Sabemos que não será o jogo mais popular entre os amigos, mas será certamente um jogo que lembramos com carinho.

[Esta análise foi baseada na versão retail da edição standard do jogo para PlayStation 4, gentilmente cedida pela Ecoplay.]

Positivo
Física de condução autêntica, visuais impressionantes e enorme quantidade de conteúdo.
Tarefas integradas no mundo do jogo.
Mundo do jogo amplo e tamanho respeitável.
Veículos extensivamente personalizáveis.
Explorar as regiões compensa.
Negativo
Mundo de jogo inanimado como uma natureza morta.
Sistema de dano pouco realista.
Problemas de camera.
Multijogador cooperativo incompleto.
Apenas uma slot de gravação.
80
Muito Bom
Actigamer